04 maio 2009

Ombudsman: Até ver se a ficha cai

Carlos Eduardo Lins da Silva, ombudsman da Folha de São Paulo

“Recebi 77 mensagens de 55 leitores sobre a reportagem em que a Folha reconhece erros por publicar suposta ficha de Dilma Rousseff do tempo da ditadura. Nenhum se satisfez com as explicações. Nem eu.

Fiz perguntas à Redação para tentar esclarecer o caso. As respostas não o elucidam.

A reportagem original saiu na primeira página; a correção também deveria ter saído na capa do jornal.

O "Manual" prevê que o jornal identifique a fonte que lhe passe informação errada, o que não se fez neste caso.

Alertado por leitor no dia da reportagem original de que ficha fraudulenta circulava na internet, o ombudsman pediu para a Redação apurar e ficou sem resposta até o dia 21.

Na sexta, a Redação me disse que nenhum jornalista envolvido na produção e edição da reportagem original sabia da ficha falsa na internet, o que revela incrível desinformação de jornalistas especializados.

O pior é a Redação dizer que encerrou a apuração desse episódio seriíssimo e não acha necessário rever procedimentos de checagem de informações.

No caso Memogate, que citei domingo passado, a rede de TV CBS constituiu comissão independente para apurar o que houve. Seu relatório foi divulgado publicamente e dele resultaram ampla revisão de procedimentos internos da Redação, a demissão de uma produtora e um pedido de desculpas da emissora à audiência. Sugiro à Folha fazer algo similar.”

Nenhum comentário: